A bola de futebol que Vladimir Putin ofereceu a Donald Trump depois do encontro na Finlândia podia ser mais do que uma simples bola. O presente podia trazer um chip integrado, mas não era exclusivo deste esférico.

A Adidas diz que esta bola, em particular, vem com um microchip que permite fazer sincronização com smartphones, um desenvolvimento tecnológico que já não é novidade.

Depois de o presidente da Rússia ter passado a bola para o homólogo norte-americano, o senador Lindsey Graham aconselhou no Twitter que Trump verificasse se não estariam integrados também na oferta dispositivos de escutas.

O senador, que é um crítico assumido de Putin, escreveu ainda que “nunca permitira que a bola entrasse na Casa Branca”.

A Casa Branca tem como princípio de segurança verificar todos os presentes que o presidente receba e foi, portanto, o que terá feito desta vez.

A residência oficial do presidente dos Estados Unidos não adiantou mais informações acerca da bola.