“O uso da força militar para a defesa dos interesses nacionais só é possível quando todas as medidas que não tenham caráter bélico se mostrem ineficazes”, lê-se no documento publicado no ‘site’ do Kremlin, citado pela EFE.

Simultaneamente, o texto defende que a Rússia vai defender os seus interesses de forma pragmática, tendo por base o direito internacional e a igualdade entre os Estados, e que nunca se verá envolvida numa corrida ao armamento.