O Presidente russo, Vladimir Putin, elogiou o «ambiente construtivo» na Cimeira do G20, em Brisbane, na Austrália, apesar da pressão que lhe foi imposta por líderes ocidentais por causa da crise na Ucrânia.

«De facto, alguns dos nossos pontos de vista não coincidem, mas as discussões foram completas, construtivas e muito úteis», disse Putin numa conferência de imprensa transmitida pela televisão russa.

O presidente agradeceu especialmente ao primeiro-ministro australiano e anfitrião do evento, Tony Abbott.

Vladimir Putin comentou a questão da Ucrânia e disse que a decisão de Kiev de acabar com o financiamento do leste separatista da Ucrânia era um «grande erro», porque corta as regiões disputadas do resto do país.

«Eu tomei conhecimento, através da comunicação social, dos bloqueios económicos a Donetsk e Lugansk. Penso que é um grande erro porque eles estão a retirar as suas próprias mãos desses territórios. Porquê?», questionou Vladimir Putin em conferência de imprensa.

Putin acrescentou que Moscovo iria discutir o bloqueio com o Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.

O Presidente russo deixou Brisbane, na Austrália, antes do final da cimeira do G20, na qual foi alvo de fortes críticas por causa da crise ucraniana.

O avião que transportava Putin descolou de Brisbane pelas 14:15 (04:15 em Lisboa) antes da publicação do comunicado final do G20, segundo imagens transmitidas pelos organizadores do G20 e citadas pela AFP.

A cimeira do G20 foi dominada pelas fortes tensões entre os países ocidentais e a Rússia, bastante criticada pela Austrália, Reino Unido e Canadá pelo seu papel na crise ucraniana.

Barack Obama diz que a Rússia pode mudar de atitude e acabar com isolamento económico

Também durante a cimeira do G20, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que a Rússia tem a oportunidade de mudar a sua atitude na Ucrânia e acabar com o isolamento económico.

«A Rússia tem a oportunidade de seguir outro caminho (na Ucrânia). Se o fizer, eu serei o primeiro s a apoiar o levantamento das sanções», afirmou Obama, em conferência de imprensa, após o final da cimeira.

«Se a Rússia continuar (…) a violar o direito internacional, a violar o acordo com que se comprometeu há algumas semanas, o isolamento que a Rússia conhece atualmente vai manter-se», acrescentou o Presidente norte-americano.