Apesar de fazer anos no dia do sorriso, é difícil apanhar o presidente russo, Vladimir Putin, com um sorriso no rosto.

É uma característica peculiar não só dos russos, mas também dos iranianos e franceses por exemplo e, de acordo com um estudo, há razões para isso.

Kuba Krys, um psicólogo da Academia Polaca de Ciências, procurou perceber porque é que as pessoas de algumas sociedades não sorriem e publicou recentemente um estudo sobre a “aversão à incerteza”.

O psicólogo analisou as reações de milhares de pessoas de 44 países a oito expressões faciais e concluiu que russos, japoneses e iranianos, sobretudo, associam os rostos mais sorridentes a pessoas menos inteligentes.

Por outro lado, em países como a Rússia, Irão, Zimbabué e Argentina, as pessoas associam rostos mais sorridentes a menor honestidade.

Para o psicólogo, acontece que algumas sociedades, como as acima referidas, sentem-se ansiosas perante a incerteza.

Segundo Kuba Krys, essa é uma característica encontrada com mais frequência em sociedades politicamente reprimidas.