Há mais uma polémica nos Estados Unidos. Os democratas divulgaram um memorando sobre a investigação à alegada ingerência russa nas presidenciais.

O texto nega qualquer abuso do FBI na condução da investigação. O documento de 10 páginas, escrito pelo principal deputado democrata na comissão, acusa os republicanos de errarem ao afirmar que a investigação do FBI, sobre as possíveis ligações da campanha de Trump com a Rússia, resultou do chamado arquivo Steele, que supostamente continha afirmações não verificadas.

O objetivo é mostrar que as provas encontradas pelo FBI contradizem o testemunho do ex-assessor de política exterior da campanha de Trump, Carter Page, perante a comissão de serviços secretos, e que os vínculos de Page com a Rússia já tinham captado a atenção das agências federais.

O memorando democrata surge semanas depois de Donald Trump ter autorizado a divulgação da versão republicana.

O relatório dos republicanos baseou-se em informação classificada como secreta e alega que o FBI abusou dos seus poderes de vigilância no decorrer da investigação.

Ao permitir a publicação deste documento, Trump causou a indignação da oposição democrata.