O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo considera que o Reino Unido colocou uma bomba com efeito retardador nas relações entre a União Europeia e a Rússia ao pedir aos seus membros solidariedade pelo “caso Skripal”. 

Theresa May foi à cimeira da UE pedir solidariedade, mas todos esqueceram que o Reino Unido vai deixar a União Europeia, porque votou o ‘brexit’. Quer dizer, o Reino Unido exigiu solidariedade aos países que ficam na UE, mas coloca uma mina nas ações a longo prazo de todos os países que comecem a adotar políticas antirrussas”, assinalou a porta-voz do ministério, Maria Zakharova.

Em declarações à cadeia televisiva Rossia-1, Zakharova disse que, após ser conhecido o amplo número de diplomatas russos que vão ser expulsos de países ocidentais, “não existe a menor dúvida que na provocação que se organizou no território do Reino Unido [tentativa de assassinato do ex-espião Serguei Skripal e filha] estão forças poderosas que se encontram nos Estados Unidos e no Reino Unido”.

Atendendo ao que estamos a observar hoje, haverá resposta. Para cada país haverá a resposta correspondente”, atendendo ao número de diplomatas russos expulsos e outras medidas, acrescentou Zakharova.

A porta-voz voltou a reafirmar que Londres ainda não apresentou qualquer prova sobre este caso, incluindo aos restantes países da UE no decurso da cimeira de quinta-feira em Bruxelas, numa referência à tentativa de envenenamento com um gás neurotóxico de Skripal e de sua filha, que ocorreu em 4 de março em Salisbury (sudoeste de Inglaterra), e que Moscovo desmente.

Apenas houve exigências políticas, ‘slogans’ e apelos à solidariedade com a sua posição”, frisou.

Para além do apoio político, os países da UE não têm a menor ideia sobre o que ocorreu em território britânico”, disse.

Zakharova também lamentou que os países ocidentais tenham anunciado estas medidas pelo “caso Skripal” em vez de transmitir à Rússia as suas condolências pelo terrível incêndio que arrasou um centro comercial na cidade siberiana de Kemerovo, com um balanço de 64 mortos e dezenas de feridos e desaparecidos.