As Nações Unidas disseram esta segunda-feira que mais de 6.000 pessoas já morreram no conflito separatista no leste da Ucrânia e que os recentes combates junto ao aeroporto de Donetsk e na cidade de Debáltsevo provocaram centenas de mortos.

Na última informação sobre a situação dos Direitos Humanos na Ucrânia, tornado público hoje em Genebra, o gabinete de Direitos Humanos da ONU diz que em 10 meses e meio de conflito entre as forças de Kiev e os rebeldes pró-russos foram contabilizados 5.809 mortos e 14.740 feridos.

O organismo acrescenta que o número de vítimas mortais está dependente das informações dos conflitos mais recentes, mas pode ser afirmado um número superior a 6.000 vítimas entre civis e militares.

Para a ONU «é imperativo que sejam cumpridos os acordos de Minsk» de forma a cessarem as hostilidades.

O relatório é elaborado a partir dos dados recolhidos por observadores no terreno e refere que o período entre dezembro e meados de fevereiro – coincidente com o cessar-fogo – foi o mais violento tendo morrido 1.012 pessoas e ficado feridas cerca de 3.800.