Um candidato à presidência da Ucrânia e seus seguidores atacaram e raptaram um membro de um governo local devido à sua oposição ao governo imposto, após a deposição de Viktor Yanukovich.

Um vídeo divulgado no próprio Facebook do candidato mostra o ataque feito por vários homens, que algemaram e ameaçaram o deputado local.

O candidato, Oleg Lyashko, declarou que foi à região de Lugansk, este domingo, para deter Arsen Klinchev, e expulsar todos os que para si trabalham.

«O escumalha do Klinchev vai pagar pelos seus crimes. Já o detivemos e entregámos às autoridades. Estou muito grato a todos os que ajudaram nesta ação. O vídeo vai ser publicado brevemente. A luta continua», escreveu Lyashko no Facebook.

Segundo o «RT», Lyashko e os seus homens entraram no escritório do general local Vladimir Guslavsky, e além de algemarem Klinchev, os homens forçaram-no a fazer uma declaração para a câmara onde pede a todos os seus seguidores para abandonarem o edifício com ele.

O edifício tinha sido capturado, este domingo, por um grupo de manifestantes que não aceitam o novo governador de Kiev, Mikhail Bolotskih, que forçaram a abdicar das suas funções. Bolotskih assinou a demissão, mas afirmou mais tarde que esta não era válida por ter sido assinada sob ameaça.

Os manifestantes hastearam a bandeira russa, o que parece ser toda a razão da fúria de Lyashko, que acusa Klinchev de traição.

«És lixo, é o que te digo. Agora diz às tuas pessoas para saírem da administração de Lugansk», disse Lyashko.

Klinchev, algemado, é arrastado para um autocarro, onde um dos homens o condena pelas suas ligações pró-russas. Promete agarra-lo pelos genitais e chamar um exército para o «aniquilar».

Klichev foi libertado cerca de 30 minutos depois de entrar no autocarro.