Pelo menos 18 civis morreram e 40 ficaram feridos este domingo em ataques aéreos "provavelmente russos" sobre a cidade Ariha, controlada pelos rebeldes no noroeste da Síria, principalmente islâmicos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Rami Abdel Rahmane, diretor do observatório, afirmou à agência noticiosa EFE que os ataques aéreos foram "provavelmente" de russos e que causaram grande destruição em vários bairros, existindo muitos feridos em "estado crítico" e estando em curso operações de resgate.

Os rebeldes assumiram o controle da cidade de Ariha em maio, após violentos combates com as forças do regime.

Por sua vez, a aviação da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos, destruiu uma das fábricas de explosivos do grupo extremista Estado Islâmico perto da localidade de Tel Afar, no norte do Iraque, num ataque em que morreram nove ‘jihadistas’.

Fonte governamental local citada pela agência noticiosa EFE explicou que o bombardeamento ocorrido na noite de sábado contra a fábrica provocou ainda ferimentos em outros seis ‘jihadistas’.

Abderahman al Hamdani, responsável da zona de Al Mahlabiya próxima da fábrica, adiantou ainda que caças iraquianos lançaram milhares de panfletos na zona a pedir aos residentes que se afastassem das posições do grupo extremista Estado Islâmico porque foram intensificados os ataques aéreos.
 

Alemanha estima enviar 1.200 soldados para a Síria


Cerca de 1.200 soldados alemães deverão participar no trabalho de apoio, reconhecimento e logística que a Alemanha se comprometeu a realizar na luta contra o Estado Islâmico, segundo fonte oficial.

O chefe das forças armadas da Alemanha, Volker Wieker, disse numa entrevista ao jornal “Bild am Sonntag” que esse é o pessoal necessário para os aviões de reconhecimento e para a fragata que o governo decidiu enviar para a região, numa missão que ainda será definida em Conselho de Ministros e no parlamento.

Esta seria a maior missão da Alemanha na atualidade. O país não participará nos bombardeamentos aliados porque, segundo Wieker, a coligação internacional tem atualmente formas e meios suficientes para os realizar de forma eficaz.