A marca de creme para barrar Nutella recusou personalizar uma embalagem com o nome de uma menina australiana de cinco anos chamada Isis. 

ISIS é a denominação dada ao Estado Islâmico, em inglês. Daí, a empresa ter defendido o seu ponto de vista, argumentando que o produto poderia ser usado em contextos desajustados.

Depois do Facebook ter bloqueado a conta de uma mulher chamada Isis, agora também a Nutella parece ter problemas com o nome.

A marca lançou uma campanha em outubro, que permite que os consumidores personalizem os boiões do creme para barrar, mas esta nova possibilidade não está, afinal, disponível para todos.

A mãe de Isis Heather, a menina a quem foi negada a embalagem personalizada, veio a público expor a situação, afirmando que a filha está a ser discriminada por algo de que não tem culpa.
 

“Recebemos a notificação da recusa [da Nutella] para ter o bonito nome da nossa filha de cinco anos impresso no rótulo da embalagem … porque se chama Isis”.


A mãe da menina disse ainda que escolheu o nome da filha, por causa da deusa egípcia Isis, muito antes de surgirem os atos de terrorismo a que o  Estado Islâmico está envolvido.

A mãe contou ainda que até um médico se mostrou incomodado com nome da menina quando, recentemente, ao passar uma receita, alertou “que aquele não era um bom nome para ter”.

 

“Eu discordo, claro. A publicidade negativa de um nome tão bonito tem de acabar agora”, disse a mãe.


De acordo com a Sky, a mulher dirigiu-se ao próprio CEO da empresa detentora da marca Nutella, a Ferrero, para que a decisão fosse alterada, mas sem efeito. Em vez disso, a companhia emitiu um comunicado a justificar a sua posição:  “Como em todas as campanhas, é necessário haver coerência na forma como os termos e condições são aplicados. Infelizmente, isso significa que houve situações em que um rótulo não foi aprovado, porque podia ser mal interpretado por uma comunidade mais vasta ou ser visto como inapropriado”.

Estes termos e condições preveem que todos os rótulos que contenham palavras “ofensivas” ou que possam causar “ansiedade, perturbação ou alarme” não sejam aceites.