O homem que tentou assassinar o Presidente dos EUA, Ronald Reagan, em 1981, vai ser colocado em liberdade condicional a partir de 5 de agosto, decidiu esta quarta-feira um juiz federal.

John Hickley Jr., internado num hospital psiquiátrico há 35 anos, deverá residir em permanência com a mãe, de 90 anos, em Williamsburg, no Estado da Virgínia, conforme ordenou o juiz Paul Friedman, de acordo com documentos judiciais obtidos pela AFP.

John Hinckley, agora com 61 anos, tentou matar Ronald Reagan à saída do Hotel Hilton, em Washington, a 30 de março de 1981. Reagan foi atingido no peito e passou 12 dias no hospital. Outras três outras pessoas ficaram feridas, entre as quais James Brady, secretário de imprensa do presidente norte-americano, que foi atingido na cabeça e, apesar de ter sobrevivido, ficou preso a uma cadeira de rodas para o resto da vida.

De acordo com o jornal britânico The Telegraph, Hinckley disse, na altura, que com a morte de Ronald Reagan, queria impressionar a atriz Jodie Foster, por quem estava obcecado depois de a ter visto no filme “Taxi Driver”.

Na altura do julgamento, a defesa alegou insanidade e o tribunal decidiu que o atirador não podia ser declarado culpado. O juiz afirmou que, num prazo de 12 a 18 meses, poderia haver condições para o libertar da instituição psiquiátrica em que fora internado, em função dos progressos que fizesse. John Hinckley acabou por ficar mais de 30 anos no hospital psiquiátrico de St. Elizabeth, em Washington.

Hinckley tem vindo a ganhar mais liberdade desde 2003, quando começou a deixar o hospital de St. Elizabeth para visitas de um dia com a família. Atualmente, já passava 17 dias por mês na casa da mãe. Se tudo correr sem problemas, ao fim do primeiro ano de liberdade já poderá viver sozinho.

John Hinckley está proibido de consumir álcool ou drogas. Não pode ter armas nem utilizar a internet sem ser monitorizado. Está ainda impedido de viajar para onde quer que o atual Presidente dos Estados Unidos ou os membros do Congresso estiverem, assim como de contactar as vítimas dos seus crimes e as famílias destas.

Por último, está absolutamente impedido de se aproximar daquela que foi a motivação por trás da tentativa de assassinato que o afastou do mundo por todo este tempo: a atriz Jodie Foster.

Ronald Reagan morreu em 2005, com 93 anos, vítima da doença de Alzheimer. A mulher, Nancy Reagan, morreu em março deste ano, aos 94 anos.

Membros da família de Reagan sempre se opuseram à libertação de Hinckley.