"Lutámos por defender o povo. Mas todos nós cometemos erros e, algumas vezes, nós próprios matámos os nossos irmãos. Temos que reconhecer isto. E espero que um dia os líderes da Fretilin possam falar sobre isso", disse.















"Nós vencemos a luta. E agora temos que ser unidos, apesar das coisas que aconteceram, de modo a desenvolver este país. Temos que lutar por Timor, para que as crianças vivam num país melhor e não sofram o que nos sofremos", disse.





"E agora trabalhamos juntos, somos amigos. Não temos que pensar todos da mesma forma, mas podemos pensar todos no mesmo, o desenvolvimento do país", defendeu.