O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, pediu hoje desculpa à comunidade judia pelo seu comentário em que se comparou a Adolf Hitler e pôs o holocausto como modelo para a sua campanha contra o narcotráfico.

Duterte afirmou na sexta-feira que "gostava de massacrar" os três milhões de toxicodependentes que existem no país, à semelhança do que o líder nazi fez com milhares de judeus para "salvar a próxima geração da perdição".

"Jamais tive a intenção de denegrir a memória dos seis milhões de judeus assassinados pelos alemães", disse o presidente das Filipinas na inauguração de um festival em Nogros Ocidental, no centro do arquipélago.