A polícia das Filipinas disse esta quinta-feira que detetou ofertas de recompensas de quase um milhão de euros para quem matar o Presidente eleito do país, Rodrigo Duterte, que declarou guerra aos delinquentes e aos traficantes de droga.

“Ontem [quarta-feira] chegaram a oferecer 50 milhões de pesos [955 mil euros] pela minha morte ou pela de Duterte”, revelou, em entrevista à emissora GMA o próximo chefe da polícia do país, Ronald Dela Rosa, sem facultar mais detalhes sobre quem teria instado os assassínios.

Ronald Dela Rosa, que ficará à frente da polícia após a investidura de Duterte no próximo dia 30, disse que inicialmente foi detetada uma oferta de 10 milhões de pesos (191 mil euros), mas que ninguém estava disposto a cumprir a missão por esse montante.

As declarações de Ronald Dela Rosa têm lugar depois de Duterte, que prometeu acabar com a delinquência e a droga nas Filipinas em menos de meio ano, ter oferecido compensações económicas aos filipinos que matem barões da droga.

Numa festa realizada na quarta-feira em sua honra, em Cebu, a segunda cidade filipina, Duterte anunciou uma recompensa de 5,5 milhões de pesos (105 mil euros) a quem acabar com a vida dos traficantes de droga mais importantes da região.