Um aparente deslize numa entrevista relançou novos rumores sobre a possível identidade de Banksy, colocando os holofotes mediáticos na tese que o misterioso artista de rua britânico é Robert Del Naja, um dos fundadores dos Massive Attack.

Numa entrevista ao 'podcast’ britânico “Distraction Pieces”, o músico e DJ britânico Goldie, conhecido por ter grafitado muros em Bristol (Reino Unido) durante as décadas de 1980 e 1990 com o seu amigo Robert Del Naja, falou sobre a obra de Banksy e sobre os preços astronómicos que podem atingir atualmente as obras do mais famoso ‘street artist’ a nível mundial.

“Se desenharmos uma letra grande e a colocarmos numa t-shirt e escrevermos Banksy, está resolvido (…) já a podemos vender”, disse Goldie, antes de fazer outro comentário, num aparente deslize, em que utilizou o diminutivo de Robert.

Não quero desrespeitar o Rob. Acho que é um artista brilhante, ele revolucionou o mundo da arte", disse Goldie, que depois fez um silêncio e mudou a conversa para o tema da música.

A tese de que Robert Del Naja é Banksy já foi falada várias vezes por aqueles que a todo o custo tentam descobrir a identidade do misterioso artista de arte urbana, cujo trabalho tem uma forte componente satírica.

Robert Del Naja

Um jornalista, Craig Williams, chegou a assegurar, no ano passado, que muitas das obras de arte urbana do famoso artista apareciam em locais em que o grupo de música Massive Attack tinha atuado.

Mas outra tese também é muito falada. Em 2008, o jornal britânico The Mail on Sunday avançou, após ter falado com vários amigos, que Banksy era Robin Gunningham, um artista oriundo de Bristol.

Os trabalhos satíricos do famoso artista - ratos, polícias a beijarem-se, polícias de choque com caras de 'smileys' amarelos - apareceram inicialmente em paredes de Bristol, antes de se espalharem por Londres e depois pelo resto do mundo.

As obras de arte de Bansky refletem temas como a guerra, a pobreza infantil e o meio ambiente.

A identidade do artista foi sempre um mistério, mas os seus trabalhos ao longo dos últimos 15 anos têm alcançado valores da ordem dos 1,8 milhões de dólares em leilões.

Em 2015, o 'graffiter’ criou em Weston-super-Mare, na zona costeira do oeste de Inglaterra, o parque de diversões "Dismaland", uma sátira à Disneylândia.

Mais recentemente, em maio último, o 'graffiter' britânico desenhou na cidade britânica de Dover um mural que remetia para a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia (UE).

O mural apresentava um operário a bater, com um martelo e um escopo, numa das estrelas representadas na bandeira do bloco comunitária, provocando uma fissura simbólica na União Europeia.