Uma jaguar foi morta esta segunda-feira depois de participar no desfile da tocha olímpica do Rio 2016 em Manaus, Brasil. Pouco depois, o animal escapou do Centro de Instrução de Guerra na Selva, onde decorreu a cerimónia e, apesar de ser atingido por tranquilizantes, atingiu um militar, acabando por ser abatido.

A organização dos Jogos Olímpicos Rio 2016 já se pronunciou sobre o sucedido, admitindo o erro.

Erramos ao permitir que a Tocha Olímpica, símbolo da paz e da união entre os povos, fosse exibida ao lado de um animal selvagem acorrentado. Essa cena contraria as nossas crenças e valores”, lê-se num comunicado publicado no Facebook. “Estamos muito tristes com o desfecho que se deu após a passagem da tocha. Garantimos que não veremos mais situações assim nos Jogos Rio 2016.”

De acordo com o Comando Militar da Amazónia, as equipas do Exército tentaram acalmar o animal com tranquilizantes, mas ainda assim não foi possível impedir que ela atacasse um dos presentes. Por medidas de segurança, um militar disparou um tiro contra o felino.

O jaguar, batizada de Juma, é uma espécie em vias de extinção e pertencia a um zoológico do Exército brasileiro.