Nola tinha 44 anos e estava no parque de San Diego desde 1989. Há muito que o seu estado de saúde preocupava os veterinários. O animal tinha artitre e estava a ser tratado por causa de uma grave infeção bacteriana. 

A 13 de novembro teve mesmo de ser submetida a uma cirurgia. Mas não melhorou, pelo contrário. O seu apetite diminui e Nola foi-se tornando apática. 

Nas últimas 24 horas, a sua condição agravou-se ainda mais. Os veterinários do parque decidiram abater o animal no domingo, como explica o zoo em comunicado. No texto, referem ainda como Nola era um animal "icónico" a nível mundial.

“Nola era um animal icónico, não só no zoo de San Diego, mas mundialmente.”

Com a morte de Nola, restam apenas três rinocerontes brancos do norte no mundo. Animais que vivem numa reserva protegida do Quénia.

Esta subespécie caminha a passo acelerado para o ponto de extinção. A caça furtiva sempre foi o maior inimigo do rinoceronte branco do norte. Os seus chifres, por exemplo, são muito procurados em países asiáticos, onde a população acredita que têm um poder medicinal.