Os ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO reúnem-se na terça e quarta-feira em Bruxelas para preparar a cimeira de setembro de 2014, em Newport, no País de Gales, e discutir o futuro da missão no Afeganistão.

Na terça-feira, na primeira reunião do Conselho do Atlântico Norte, às 14:00 (13:00 em Lisboa), os chefes da diplomacia dos Estados-membros deverão começar a delinear a agenda da cimeira de chefes de Estado e de Governo, agendada para 4 e 5 de setembro do próximo ano, no sul do País de Gales, no Reino Unido.

Na segunda sessão de trabalho, os ministros dos Negócios Estrangeiros irão discutir o futuro da missão no Afeganistão para o período pós 2014, numa sessão onde deverá estar presente a Alta Representante da União Europeia para a Política Externa, Catherine Ashton, e outros representantes da União Europeia.

A próxima cimeira da Aliança Atlântica será previsivelmente a primeira do próximo secretário-geral, já que o dinamarquês Anders Fogh Rasmussen (cujo mandato foi prorrogado em 2012) termina funções a 31 de julho de 2014.

Essa reunião de líderes da NATO deverá lançar a nova estratégia e o modelo de empenhamento da organização no Afeganistão, já que no final de 2014 está prevista uma redução substancial da presença militar no terreno, atualmente cerca de 75 mil militares.

Há pouco mais de uma semana, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse já ter chegado a acordo com o Presidente afegão, Hamid Karzai, sobre a manutenção de tropas norte-americanas no Afeganistão depois de 2014, mas hoje, em Bruxelas, oficiais superiores da NATO deixaram avisos ao Governo de Cabul.

Segundo responsáveis da Aliança Atlântica, a ausência de acordo colocará em risco o apoio militar e financeiro ao Afeganistão, aproximadamente três mil milhões de euros por ano.

Para quarta-feira, está prevista uma reunião do Conselho NATO-Rússia, com a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, seguindo-se uma nova reunião sobre a missão da NATO no Afeganistão e, finalmente, um encontro da Comissão NATO-Geórgia.

Em relação a Portugal, neste encontro em Bruxelas está prevista a assinatura do Acordo Suplementar ao Protocolo de Paris sobre quartéis-generais da NATO em Portugal, no âmbito da extinção do Comando Conjunto, sediado em Oeiras, e da transferência da STRIKFORNATO e da Escola de Comunicações e Sistemas de Informação.

O acordo, que será assinado pelo ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, e pelos dois principais comandantes militares da NATO, visa estabelecer um regime de privilégios e imunidades para os quartéis-generais da Aliança Atlântica localizados em Portugal, para facilitar a sua operação.