O repórter de imagem da cadeia norte-americana NBC, que tinha sido contaminado pelo vírus Ébola quando cobria a epidemia, na Libéria, está curado. A informação foi avançada pelo hospital do Nebrasca, onde foi tratado.

«Um teste de sangue negativo confirmado pelos CDC (centros federais de controlo e prevenção de doenças) mostrou que Ashoka Mukpo já não tem traços do vírus no seu sangue, pelo que é livre de regressar a casa», em Rhode Island, adiantou, um comunicado citado pela Lusa, o centro médico.

Ashoka Mukpo, de 33 anos, «vai ser autorizado a sair da unidade» especializada do hospital já esta quarta-feira.

Como primeiros sintomas do vírus, o homem começou muito cansado e com febre e, por isso, pediu o apoio dos Médicos Sem Fronteiras. Doze horas depois confirmaram que o profissional de imagem tinha sido contagiado com a doença de que estava a fazer a cobertura jornalística. Foi colocado imediatamente de quarentena e regressou aos Estados Unidos para ser submetido ao tratamento. Ao que tudo indica, com sucesso.

Esta semana está a ser marcada por notícias de esperança quanto à cura do vírus. Esta terça-feira, a enfermeira espanhola Teresa Romero - e o primeiro caso de infeção já em território europeu -, também venceu a doença e vai sair do hospital dentro de duas a três semanas. A médica norueguesa que estava infetada também.

Outra boa notícia é que a Nigéria está oficialmente livre da epidemia. Já os testes de vacinas nos países mais afetados vão começar em janeiro.