Um novo ataque de homens armados, alegadamente da Renamo, à escolta militar de viaturas na região de Muxúnguè, Sofala, centro de Moçambique, fez esta quarta-feira cinco feridos graves, disseram à Lusa fontes locais.

Um autocarro de passageiros da empresa Etrago foi «fortemente metralhado», quando a coluna de viaturas foi parada a tiros na zona de Chimutanda, a 15 quilómetros da vila de Muxúnguè, uma área pouco habitual para este tipo de ataques, e não distante de uma posição do exército.

«Hoje de manhã, houve um massacre na zona de Chimutanda, onde houve um ataque ou emboscada com ferimentos de passageiros inocentes», disse à Lusa, por telefone, um morador local.

A embaixada norte-americana em Maputo apelou para soluções pacíficas da tensão político-militar que se vive em Moçambique, em resultado dos crescentes confrontos entre homens armados da Renamo, o maior partido da oposição, e o exército.

O conflito, que se arrasta desde março de 2013 e já causou dezenas de mortos, entre os quais muitos civis, alastrou nas últimas semanas ao sul do país com a instalação de homens armados da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) na província de Inhambane, a cerca de 450 quilómetros de Maputo.

«A confirmação por parte da Renamo de que existem elementos da segurança do partido por todo o país é altamente perturbante. Repetimos as nossas declarações anteriores de que o uso da violência não resolverá as diferenças políticas», refere um comunicado de imprensa da embaixada dos Estados Unidos que a Lusa cita.