O catolicismo caiu 13% na América Latina, entre 1995 e 2014, a um ritmo de menos 0,7% ao ano, segundo dados do Barómetro Latino, divulgados um ano após o início do pontificado do papa Francisco.

A diminuição de seguidores foi mais forte em países como a Nicarágua, que teve uma variação negativa de 30%, ou as Honduras, com menos 29%, o que representa uma descida de um terço dos fiéis católicos.

Enquanto a Costa Rica e Uruguai, baixaram 19%, o Chile posicionou-se na quinta posição, com uma variação negativa de 17 por cento.

Os únicos países que registaram um aumento do número de seguidores católicos foram a República Dominicana, que subiu 1%, no período entre 2004 e 2013, e o México com uma subida de dois por cento.

Segundo o estudo, realizado pela consultora chilena Mori, «os dados do Barómetro Latino mostram que a diminuição das religiões é muito menor do que a agenda informativa dá a entender».

«O processo de secularização que traz o desenvolvimento económico não tem o mesmo impacto na América Latina do que em outras partes do mundo. Os que abandonam o catolicismo não ficam necessariamente ateus e agnósticos, mas mais facilmente abraçam outra religião», adianta a publicação.

O estudo acrescenta que o número de fiéis evangélicos aumentou em El Salvador, Nicarágua, Honduras e Guatemala, com mais 30 por cento.

Também no Chile e Uruguai começa a crescer o número de cidadãos agnósticos.

Ainda assim, o catolicismo mantém-se como a religião predominante em muitos países da região.