A primeira-ministra do Reino Unido anunciou esta quarta-feira a “suspensão de contactos bilaterais” com Moscovo e a expulsão de diplomatas russos, após ter acusado a Rússia de ser a “culpada” pelo envenenamento do ex-espião Sergei Skripal em solo britânico.

Numa intervenção no Parlamento, Theresa May acusou a Rússia de "colocar em perigo as vidas de outros cidadãos britânicos" e anunciou a expulsão de 23 diplomatas russos do Reino Unido, que têm uma semana para abandonar o país.

Os contactos mais estreitos com a Rússia "vão ser cancelados", garantiu a chefe do governo britânico.

A chefe do governo britânico anunciou ainda um boicote dos membros do governo e da família real ao campeonato do mundo de futebol de 2018, que se realiza na Rússia.

Confirmo que nenhum ministro ou membro da família real vai estar presente no campeonato do mundo de futebol na Rússia, neste verão", afirmou. 

A primeira-ministra britânica fez esta declaração durante uma intervenção no parlamento em que anunciou a “suspensão de contactos bilaterais” com Moscovo e a expulsão de 23 diplomatas russos.

De acordo com o diário britânico The Guardian, a expulsão de 23 diplomatas é a maior decisão do género dos últimos 30 anos. 

Atualmente, a Rússia conta com 59 diplomatas acreditados no Reino Unido.

Sergei Skripal, de 66 anos, e a filha Yulia, de 33 anos, foram encontrados no domingo, inconscientes num banco de um centro comercial em Salisbury, no sul do Reino Unido, e sem qualquer ferimento visível. Encontram-se hospitalizados em estado crítico.

Suspensão de contactos é "hostil e inaceitável"

A embaixada russa em Londres classificou hoje como "hostil", "inaceitável" e "injustificada" a decisão britânica de suspender contactos bilaterais com Moscovo e expulsar 23 diplomatas russos.

Consideramos esta ação hostil, inaceitável, injustificada e de vistas curtas. A responsabilidade pela deterioração das relações entre a Rússia e o Reino Unido é dos dirigentes britânicos atuais", pode ler-se num comunicado da embaixada.

O Kremlin também já reagiu, acusando Londres de “ter feito a escolha da confrontação” e prometeu uma resposta rápida.

“O Governo britânico fez a escolha da confrontação com a Rússia. Evidentemente, as nossas medidas de resposta não se farão esperar”, denunciou em comunicado o ministério russo dos Negócios Estrangeiros.

O Conselho Segurança da ONU reúne-se hoje de urgência para abordar este caso.