“Primeiro fiquei chocado, mas depois pensei: ter duas mães e dois pais, eu sou a pessoa mais sortuda do mundo”, conta Surinder Arora, dono de uma cadeia de hotéis no Reino Unido.

A vida tem sorrido, efetivamente, a este empresário de ascendência indiana, que descobriu, já adolescente, que os tios eram, afinal, os seus pais biológicos. O caso de Surinder Arora, de 55 anos, é apenas um exemplo de uma prática muito comum entre famílias asiáticas no reino Unido.

Muitas famílias asiáticas contornam a infertilidade dos casais, fazendo adoções entre familiares. Sem papéis em grande parte dos casos e sem que aqueles que são adotados descubram a verdade.

Mas, quando descobrem, surgem as dúvidas sobre o que sentir por uns e por outros. De quais se sentem mais próximos e se ficam zangados com aqueles que os deixam partir, apenas para serem muito amados.

Nalguns dos testemunhos recolhidos pela BBC, os protagonistas destas trocas preferiam ter ficado na ignorância, como Huma, de 32 anos, que descobriu aos 17 que a tia era a sua mãe. Ainda para mais, esta, quando lhe contou, pediu-lhe para manter o segredo. Um fardo pesado para uma adolescente e que acabou por mexer com a sua saúde, o aproveitamento escolar e, naturalmente com a relação com os pais adotivos.

Surinder Arora também descobriu, por acaso, sentado na mesa da cozinha, que os tios eram os pais verdadeiros. Ele fora dado pelo casal, com poucos dias de vida, aos tios que não conseguiam engravidar. Foram os pais verdadeiros que lho disseram.

A mãe biológica começou a ficar preocupada com o filho/sobrinho adolescente. O jovem era rebelde, faltava à escola e andava com uma faca. A mãe verdadeira achou que tinha sido “um erro” dar o filho e trouxe-o de novo para casa, uma decisão que não foi de imediato compreendida pelos outros filhos, que “não percebiam porque o tinham ido buscar de volta”.

Esta mudança de pais trouxe outras mudanças na vida de Surinder Arora. A família saiu da Índia e foi viver para Londres, onde Surinder Arora se tornou um dos empresários asiáticos mais bem-sucedidos do Reino Unido.

 

 

O empresário recebeu bem a notícia de que os tios eram os pais biológicos, mas não esconde que, por vezes, não foi fácil lidar com esta dualidade de famílias.

“Recebi uma chamada da Índia a avisar que o meu pai tinha morrido, numa altura em que a minha mãe, aqui [Londres] estava gravemente doente com um cancro. Não sabia o que fazer, mas a minha mãe disse-me: ‘Tu és o seu único filho, vai ao funeral dele”.

Surinder Arora foi ao funeral do pai adotivo e pouco depois de regressar, perdeu a mãe biológica.