A polícia britânica deteve quatro homens e tem vindo ao longo de terça-feira a efetuar várias buscas em propriedades localizadas nas cidades de Sheffield e Chesterfield, no que está a ser encarado como uma operação que terá desmantelado uma operação terrorista planeada para a época de Natal.

De acordo com o site da cadeia televisva Sky News, uma equipa de peritos de explosivos esteve, logo de manhã, numa propriedade em Chesterfield, onde havia indícios de poder estar um engenho explosivo.

Também a polícia anti-terrorista, a par de elementos dos serviços de informações MI5, estiveram em locais de Sheffield, tendo em consideração um eventual plano de ataque..

As operações surgem após a divulgação de ameaças em canais online, atribuídas ao Daesh, o autoproclamado Estado Islâmico, mostrando uma faca ensanguentada amarrada a um Pai Natal, o que terá levado a polícia a temer um ataque, eventualmente num mercado, como sucedeu há um ano em Berlim, na Alemanha.

Quatro já detidos

A imprensa inglesa assinala que quatro homens já foram detidos e levados para interrogatório na esquadra da polícia de West Yorkshire.

Três dos suspeitos, com 22, 36 e 41 anos, foram detidos em Sheffield. Um quarto, de 31 anos, foi preso na cidade próxima de Chesterfield.

 

Só saberemos o que temos em mãos quando terminarem as buscas às casas dos suspeitos e aos seus equipamentos eletrónicos", sublinhou uma fonte ligada à investigação à Sky News.

A mesma fonte acrescentou, contudo, que "o momento das buscas tem o seu significado, tal como a presença de peritos em explosivos, a qual mostra o que a polícia prevê encontra dentro das casas".

Detenções planeadas

Um porta-voz da polícia inglesa revelou já que "as detenções foram delineadas pelos serviços de informações e estavam planeadas como parte de uma investigação em curso da unidade anti-terrorista".

Percebemos que a população local pode estar preocupada com esta atividade. Pedimos às pessoas que permaneçam alerta, mas não alarmadas e agradecemos a assistência e a sua compreensão", afirmou o porta-voz, citado pela Sky News.