O escândalo continua e ganha ainda maiores proporções. Em janeiro, o primeiro relatório da justiça alemã confirmava 293 denúncias de abusos sexuais na escola coral católica de Regensburg, na Alemanha. Agora, o advogado das vítimas revela ter já conhecimento de 422 casos.

O caso do coro Domspatzen, com mais de mil anos de existência, abalou a igreja católica há seis anos, quando vieram a público as acusações dos abusos que aconteciam há décadas.

A maioria dos casos ocorreu entre 1964 e 1994, quando o coro foi dirigido por Georg Ratzinger, irmão do Papa Bento XVI

Agressões sexuais, estupro, espancamentos e privação de alimentos são algumas das denúncias das centenas de vítimas.

Um antigo aluno do coro, agora maestro e compositor, confessou à revista alemã Spiegel que houve mesmo na instituição um sistema de punições sádicas ligadas ao prazer sexual.