Massaya Iliyass e Taghri Tokeye resolveram fugir do Mali, para resgatar os seis filhos da violência que assola o país. O casal encetou uma imensa jornada em janeiro último. Atravessaram o deserto, juntamente com as seis crianças (três das quais ainda nem andavam), com a ajuda de um burro para carregar os poucos bens que puderam levar. Caminharam durante cinco dias e cinco noite, descansando sempre que podiam por causa das crianças, até chegarem ao campo de refugiados de Mbera, na fronteira com a Mauritânia.

A história do agricultou Massaya e da mulher Taghri é contada pela BBC, que relata um cenário pouco animador à chegada ao campo de refugiados. Mais de 60 mil pessoas a partilharem o mesmo espaço, sem água e com temperaturas a rondarem os 50 graus centígrados.

Taghri descobre que está grávida, mas sente-se «maior» que das outras vezes. Os Médicos Sem Fronteiras realizaram uma ecografia e descobrem que Taghri esperava quadrigémeos. Uma novidade para os pais, mas também para os médicos. «Em toda a minha vida, nunca me deparei com um caso de quadrigémeos», disse a médica Kasonga Cheride.

Os bebés nasceram às 35 semanas, de cesariana, e estão bem de saúde. São três meninos e uma menina para quem o pai não espera grande futuro: «Não tenho muita esperança no futuro dos meus filhos. No momento, não tenho nada, então não posso esperar nada para o futuro deles».