O drama dos migrantes conhece todos os dias novos contornos. Esta quarta-feira, quatro embarcações afundaram ao largo da ilha de Lesbos, entre a Turquia e a Grécia. Pelo menos sete pessoas morreram e entre as vítimas estão cinco crianças.

Os guarda-costas gregos, que deram a notícia, salvaram mais de 200 pessoas. Muitas foram resgatadas em estado de hipotermia, depois do naufrágio de um barco de madeira. 

As buscas foram realizadas por barcos-patrulha gregos, um helicóptero, vários pescadores e até habitantes da ilha, com o recurso a jets skis.

A Organização internacional para as Migrações disse, em comunicado, que só nesse barco de madeira poderiam estar entre 200 a 300 pessoas.

Lesbos é, recorde-se, a principal porta de entrada de migrantes na Europa, no Egeu Oriental.

O Parlamento Europeu aprovou hoje mais 1,2 mil milhões para ajudar refugiados.As verbas adicionais servirão para reforçar os fundos, os programas e as agências envolvidos na crise da migração.