A NATO decidiu reforçar o seu contingente militar no Leste da Europa por causa da crise na Ucrânia. No terreno os embates entre forças governamentais e separatistas pró-russos estendem-se a várias cidades, com informações pouco claras até agora.

«Verão destacamentos por mar, ar e terra que terão lugar imediatamente, no espaço de poucos dias», revelou o secretário-geral da NATO, Anders Rasmussen, dando conta da decisão tomada pelos embaixadores da NATO.

No terreno, a situação continua a evoluir, com notícias de mais movimentações dos separatistas pró-russos. Agora foi proclamada na internet a criação da «República Popular de Odessa», cidade do sul da Ucrânia banhada pelo Mar Negro.

«A partir do dia de hoje, a região de Odessa declara-se república popular de Odessa, onde todo o poder é do povo que vive no seu território», escreveram os pró-russos de Odessa na sua página na internet. No texto, citado pela agência EFE, os pró-russos de Odessa afirmam que começou uma guerra civil na Ucrânia e apelaram à população para bloquear os transportes para a cidade.

Já esta manhã as milícias pró-russas tinham tomado a câmara de Donetsk e entrado em Slaviansk aos comandos de tanques, os quais alegadamente teriam pertencido às forças governamentais. Há relatos, cita a BBC, de que a intervenção destas foi bloqueada por civis na cidade de Kramatorsk.