As tropas da Nigéria resgataram 338 pessoas, sobretudo mulheres e crianças, detidas pelo grupo radical islâmico Boko Haram. A operação militar ocorreu na terça-feira e 192 dos sobreviventes são crianças e 138 mulheres.

"A unidade resgatou 338 pessoas que eram reféns dos terroristas" na região da floresta de Sambisa, um dos redutos das milícias islamitas no nordeste da Nigéria, indicou esta quarta-feira, o exército, em comunicado.
 
 
O comunicado indica que o ataque do exército teve como alvo "presumíveis campos terroristas do Boko Haram nas localidades de Bulajilin e Manawashe" na orla da floresta de Sambisa.

As tropas mataram 30 alegados jihadistas e apreenderam armas e munições que se encontravam num esconderijo, adianta o comunicado.

 
O comunicado não revela se no grupo sequestrado e agora libertado se incluem algumas das alunas raptadas em Chibok, em abril de 2014, numa ação que catapultou o grupo terrorista para a cena mundial.

A Força Aérea nigeriana declarou na terça-feira ter bombardeado depósitos de veículos e combustível do Boko Haram, num esforço para deteriorar ao máximo os recursos do grupo radical. O comandante da aviação, Sadique Abubakar, afirmou em comunicado que os bombardeamentos abrem caminho para um ataque final das tropas terrestres.

O exército da Nigéria tem reivindicado nos últimos meses várias vitórias contra o Boko Haram, cuja revolta desde 2009 já causou a morte de pelo menos 17 mil pessoas e obrigou mais de 2,5 milhões a abandonar as casas.

Os fundamentalistas pretendem criar um estado islâmico no norte da Nigéria, maioritariamente muçulmano, ao contrário do sul, de maioria cristã.