A Eurojust - Unidade Europeia de Cooperação anunciou o desmantelamento de uma rede de comércio de carne de cavalo ilegal que operava em vários países da União Europeia, nomeadamente França, Bélgica, Irlanda e Holanda.

"Uma unidade de cooperação a cargo da Eurojust e liderada pelo gabinete francês deteve uma rede de crime organizado envolvida no comércio de carne de cavalo ilegal", informou aquela entidade num comunicado divulgado ao final da noite de sexta-feira e citado hoje pela agência EFE.


A operação, que foi desenvolvida na sexta-feira, envolveu a fiscalização de dezenas de estabelecimentos comerciais e saldou-se na detenção de 26 pessoas e na apreensão de 37.000 euros, de 800 registos de cavalos, de medicação, de ‘microchips’ e de diversos equipamentos informáticos.

Adicionalmente, a Eurojust informa que mais de 200 cavalos serão agora examinados pelos serviços veterinários.

As autoridades francesas estimam que, entre 2010 e 2013, tenham sido abatidos 4.700 cavalos não aptos para o consumo humano com vista à introdução da sua carne na cadeia alimentar, sendo que para o efeito era falsificada, alterada ou eliminada a documentação oficial que acompanhava o produto.

Desta forma, a carne acabou por ser comercializada em vários países da União Europeia.

Na operação agora desenvolvida participaram a polícia e autoridades judiciais da França, Bélgica, Alemanha, Irlanda, Luxemburgo, Holanda e Reino Unido.

A investigação sobre o principal suspeito, um homem de nacionalidade belga que operava a partir da Bélgica, tiveram início neste país em 2012 e prosseguiram em julho de 2013 em França, sob coordenação do juiz de instrução do Tribunal de Marselha.

"Estas investigações revelaram ligações deste grupo organizado a atividades realizadas noutros Estados-membros, como a Irlanda e os Países Baixos. Como resultado da informação recebida da Bélgica e França, a polícia de Kent também iniciou uma investigação no Reino Unido", explicou a Eurojust.


Já este ano foram promovidas duas reuniões de coordenação entre as diferentes autoridades dos vários países para levar a cabo a operação.