Pelo menos 56 pessoas morreram depois de vários dias de uma ofensiva levada a cabo pelo exército das Filipinas no sul do país contra a organização islamita grupo Maute, informou esta terça-feira a imprensa local.

De acordo com Filemon Tan, porta-voz do Comando das Forças Armadas de Mindanao Ocidental, onde foram registados os confrontos, o ataque contra os rebeldes começou no dia 26 de maio e causou a morte de dois soldados e 54 rebeldes, refere o diário Inquirer.

O grupo rebelde é liderado pelos irmãos Abdullah e Omar Maute, alegadamente ligados à organização islâmica Jemaah Islamiyah, presente em vários países do sudeste asiático.

Não obstante o histórico acordo de paz assinado em 2014 entre o Governo filipino e a Frente Moro de Libertação Islâmica (FMLI), em março, vários grupos rebeldes permanecem ativos no sul muçulmano das Filipinas.

Entre 100 mil e 150 mil pessoas, pelo menos 20% das quais civis, foram mortas no sul do país durante as mais de quatro décadas de conflito separatista que paralisou o desenvolvimento de uma região rica em recursos naturais e empobreceu a população.