Pelo menos 20 rebeldes sírios morreram esta quinta-feira e dezenas ficaram feridos na sequência de uma explosão na fronteira entre a Síria e a Turquia, indicou o Observatório Sírio dos Direitos do Homem. 

A organização não-governamental, com sede em Londres, confirmou a existência de vítimas mortais, mas sublinhou que não dispõe de informações sobre as causas da explosão.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos do Homem, o incidente ocorreu aconteceu no lado sírio da passagem fronteiriça de Atmeh, a oeste da província de Alepo, tendo provocado também mais de duas dezenas de feridos.

A maioria dos rebeldes atingidos pertencem ao grupo Failaq al-Sham, cuja ofensiva contra militantes do Estado Islâmico no nordeste da Síria está a ser apoiada pela Turquia, numa outra zona fronteiriça entre os dois países.

A operação lançada por Ancara em agosto, batizada "Escudo Eufrates", tem como alvos militantes do grupo jiadista, mas também combatentes curdos que o Ocidente tem apoiado na luta contra o estado Islâmico.

Os rebeldes sírios estavam a usar a passagem de Atmeh para se moverem da província de Idlib através da Turquia até áreas de Alepo próximas da fronteira onde os combates contra o Estado Islâmico estão a ter lugar, avança o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

De acordo com relatos de residentes à Reuters, os rebeldes estavam também a usar a passagem para retirar parceiros feridos em combate.