Um estudo divulgado esta sexta-feira pelo Instituto Francês de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD) aponta para a eventualidade de o vírus do Ébola que se regista na República Democrática do Congo ser uma nova estirpe da febre hemorrágica.

Segundo uma nota da instituição francesa divulgada na sua página de Internet, a nova investigação «confirma que a epidemia do Ébola resulta de uma estirpe local do vírus diferente da que predomina na parte Ocidental do continente» africano, nomeadamente, na Serra Leoa, Libéria, Guiné Conacri e Nigéria.

«Embora este resultado mostre que as duas epidemias não estejam interligadas, ilustra com que velocidade a doença terá surgido. Por isso, é urgente que nós entendamos apenas como a doença se espalha», referem os investigadores.