O secretário-geral da NATO defende que a comunidade internacional deve dar uma «resposta firme» ao uso de armas químicas na Síria, mas descartou qualquer ação da organização que vá além da projeção de mísseis na Turquia.

«A minha opinião pessoal é que a comunidade internacional deve dar uma resposta firme, senão daremos uma reposta perigosa aos ditadores do mundo de que podem usar armas químicas», afirmou Anders Fogh Rasmussen.

O líder da Aliança Atlântica, que falava em Bruxelas, na habitual conferência de imprensa mensal, sublinhou que o uso de armas químicas está «banido do mundo civilizado» e «não pode ter lugar no século XXI» e que a comunidade internacional não pode apenas «ficar a ver».

«Não foi tomada qualquer decisão ainda, os aliados estão em consultas mas eu acho que há um consenso de que precisamos de uma resposta internacional firme para evitar que outros ataques químicos tenham lugar no futuro, isso daria um forte sinal aos ditadores de todo o mundo (...) a questão é quando e como reagir, mas em democracia temos de respeitar a discussão de todos os procedimentos», declarou.