O exército nigeriano anunciou esta quinta-feira o resgate de mais cerca de 160 reféns do Boko Haram na floresta de Sambisa, elevando para quase 500 o número de reféns resgatados só esta semana.

As vítimas de rapto deste grupo terrorista estão agora a ser identificadas. Ainda não foi revelado se algumas das 219 raparigas raptadas da escola Chibok, há um ano, estão entre as reféns resgatadas.

“Ainda estamos a tentar calcular o número concreto de pessoas resgatadas. Mas há cerca de 60 mulheres de várias idades e cerca de 100 crianças”, disse o porta-voz do exército, Sani Usman, à AFP.

Nos confrontos durante o resgate, uma mulher morreu e oito ficaram feridas. Algumas foram usadas como escudos humanos pelos terroristas, outras ainda dispararam contra o exército. Um soldado nigeriano morreu e quatro ficaram feridos.

A operação conseguiu ainda desmantelar vários “campos de treino terroristas” e apreender equipamento e veículos de guerra.

Segundo a Amnistia Internacional, o Boko Haram raptou cerca de 2.000 mulheres e raparigas desde o início de 2014.

“Isto é só a ponta do icebergue. Há milhares de mulheres e raparigas, de homens e rapazes, que foram raptados pelo Boko Haram”, sublinha o diretor da AI para a região de África, Netsanet Belay, em comunicado.

As mulheres e raparigas raptadas por este grupo são obrigadas a trabalho forçado, sofrem abusos sexuais e são também obrigadas a lutar ao lado dos terroristas.