Centenas de pessoas saíram às ruas na segunda-feira à noite nos EUA, em grandes cidades do país, na quinta noite consecutiva de protestos contra a violência policial sobre negros.

Uma das maiores manifestações foi em Atlanta, no Sul dos EUA, onde 16 pessoas foram detidas, conforme noticiam os meios de comunicação social locais.

Os manifestantes desmobilizaram quando o presidente da câmara, Kasim Reed, e o chefe da polícia, George Turner, assumiram o compromisso de iniciar um diálogo sobre a questão da violência policial.

Precisamente em Atlanta, a polícia demitiu um agente por ter assassinado em junho um afro-americano que estava desarmado.

A cidade de Chicago, no Illinois, foi palco de outra das principais manifestações do dia em protesto pela morte na semana passada de dois negros em Baton Rouge (Louisiana) e Falcon Heights (Minnesota).

Os manifestantes em Chicago e Atlanta, assim como em Baton Rouge, Falcon Heights e outras cidades do país, participaram das marchas convocadas pelo movimento "Black Lives Matter" (As Vidas dos Negros Importam), que surgiu há dois anos após a morte de outro afro-americano em Ferguson, no Missouri.

Em Baltimore (Maryland), de maioria afro-americana, um tiroteio provocou cinco feridos - incluindo quatro mulheres - durante uma vigília pela morte de um jovem no fim de semana.

Entretanto, o presidente da Câmara de Houston, Sylvester Turner, fez um apelo para "manter a paz" na cidade até que se esclareçam as circunstâncias da morte no fim de semana de um jovem negro que, aparentemente, apontou uma arma aos polícias que afeturam os disparos.

O presidente dos EUA, Barack Obama, viaja esta terça-feira para o local onde um franco-atirador assassinou na última sexta-feira cinco polícias brancos em Dallas, no Texas, durante uma manifestação pelas mortes em Baton Rouge e Falcon Heights.

Obama vai presidir aos funerais dos polícias e vai falar durante a cerimónia, enquanto na quarta-feira, terá uma reunião com representantes da sociedade civil e da polícia para discutir a onda de violência no país.