O ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, José Manuel Garcia Margallo, pediu esta segunda-feira à Comissão Europeia para rever a proposta de criação de quotas para os migrantes e refugiados na UE.

"O esforço solidário" exigido aos Estados-membros "deve ser proporcionado, justo e realista, o que não acontece com os critérios propostos pela Comissão Europeia", declarou Margallo, à chegada a uma reunião ministerial em Bruxelas.

"Creio ser necessário rever os critérios para fixar qual a capacidade real de um Estado", acrescentou.

A França tinha declarado-se este sábado contra o estabelecimento de quotas para a repartição de migrantes e refugiados entre os países da União Europeia (UE), proposta esta semana pela Comissão Europeia.“Queremos ser particularmente claros sobre isso: sou contra a criação de quotas de migrantes. Isso nunca fez parte das propostas francesas”, segundo o primeiro-ministro, Manuel Valls.

Bruxelas apresentou a Agenda para a Migração, que inclui quotas de reinstalação de 20 mil refugiados por todos os Estados-membros. A Portugal cabiam 704 refugiados. 

A União Europeia aprovou esta segunda-feira uma operação naval para combater o tráfico de migrantes no mediterrâneo, anunciou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

A informação foi avançada na rede social Twitter pela Alta Representante para a Política Externa e de Segurança, após a reunião dos ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros, que se realizou em Bruxelas.



A operação, acrescentou Mogherini já em conferência de imprensa, tem como objetivo "acabar com o modelo de negócio" de que vivem as máfias, que se aproveitam das muitos milhares de pessoas que todos os anos procuram melhores condições de vida na Europa, arriscando mesmo atravessar o mar mediterrâneo em barcos sem condições.