Começamos pela imagem porque, nesta história, ela conta quase tudo. Um animal de olhar triste e três homens armados que o tentam proteger dos caçadores sem compaixão por uma espécie em vias de extinção.

O protagonista chama-se Sudan e é o último rinoceronte-branco do Norte macho do mundo. Na fotografia, que se tornou viral na Internet, aparecem ainda três dos guardas armados que o protegem, 24 horas por dia.

Sudan vive numa reserva natural no Quénia e espera-se que possa ainda procriar com as duas fêmeas da sua espécie que partilham o mesmo espaço.

Se isso não acontecer, o destino do rinoceronte-branco do Norte é a extinção. Daí que o trabalho destes guardas se torne tão importante.


Os quenianos tomaram outras medidas para salvar Sudan: o animal tem transmissores de rádio e o chifre foi-lhe retirado para desincentivar os caçadores que cobiçam o valioso marfim.


O parque de Ol Pejeta está a tentar angariar dinheiro para garantir a proteção deste animal e, até agora, conseguiu quase 43 mil euros para esta causa. Pode saber mais sobre a campanha de angariação de fundos  aqui.

Esta é uma reportagem sobre o trabalho destes guardas, onde pode ver os animais:

 

Em 1960, havia mais de 2 mil rinocerontes-brancos do Norte no mundo. Hoje, há cinco. Além dos três que vivem no Quénia, duas fêmeas estão em jardins zoológicos nos Estados Unidos e na República Checa.