Uma estudante brasileira de biologia, de 19 anos, ficou com queimaduras de segundo grau após ter frequentado uma sessão de solário.

A rapariga encontra-se internada num hospital, apresentando cerca de 73 por cento do corpo coberto de queimaduras de segundo grau.

Monalisa Lombardi foi uma de quatro vitimas neste salão em Goiás, no Brasil.

A mãe, Monica Lombardi, explicou à «Globo» que a rapariga, que já há dois anos que frequentava o salão, começou a sentir algumas diferenças no domingo e «na segunda-feira a situação foi piorando e ligou para a dona do salão que a aconselhou a utilizar um determinado creme. Na terça-feira ela já nem se conseguia mexer-se e começaram a aparecer bolhas».

A mulher acrescentou ainda que a jovem recorreu novamente à dona do salão que a acompanhou a um dermatologista, mas este médico, quando «viu a gravidade nem quis pôr a mão, encaminhando-a para o hospital».

Monalisa foi uma de quatro vítimas deste tipo. Outras duas raparigas, com queimaduras de primeiro e segundo grau, foram internadas no centro médico de Jataí, mas já tiveram alta médica.