A Coreia do Norte defendeu a realização do seu mais recente teste nuclear, afirmando que o destino de Saddam Hussein no Iraque e o de Muammar Kadhafi na Líbia mostram o que acontece quando os países abandonam as ambições nucleares.

De acordo com a AFP, Pyongyang também advertiu a Coreia do Sul – que voltou a ligar os altifalantes que emitem propaganda na fronteira em resposta ao ensaio nuclear de quarta-feira – que as suas ações estavam a colocar a península “à beira da guerra”.

Um comentário publicado pela agência oficial KCNA ao final do dia de sexta-feira diz que o quarto teste nuclear de Pyongyang foi um “grande evento” que dotou a Coreia do Norte de uma capacidade de dissuasão poderosa o suficiente para proteger as fronteiras contra todas as forças hostis, incluindo os Estados Unidos.