A Coreia do Norte ameaçou este domingo realizar uma "ação justa e enérgica" se os EUA continuarem com a atual política militar e de endurecimento de sanções como castigo pelo míssil balístico intercontinental lançado pelo regime de Pyongyang.

O Ministério Negócios Estrangeiros norte-coreano emitiu um comunicado, através da agência estatal de notícias KCNA, em que defende que o lançamento do míssil balístico intercontinental na sexta-feira foi uma demonstração de sua capacidade militar.

Se os Estados Unidos insistirem nas suas aventuras militares contra nós e nos seus planos de sanções intensivos, responderemos com uma ação enérgica e justa como já declarámos anteriormente", afirma um porta-voz do ministério no comunicado citado pela agência espanhola Efe.

Washington enviou este domingo bombardeiros estratégicos B-1B para a península coreana, em resposta ao lançamento do míssil norte-coreano, que ocorreu na sexta-feira. A informação foi confirmada pelo ministro da Defesa do Japão, que participou nestas manobras aéreas. 

Os exercícios foram realizados por dois bombardeiros norte-americanos e caças japoneses, segundo explicou o ministro da Defesa japonês, Fumio Kishida.

Não é a primeira vez que o Pentágono decide destacar estes aviões, estacionados na sua base aérea de Andersen, na ilha de Guam, numa demonstração de força militar, em resposta ao que considera provocações norte-coreanas.