O porta-voz do Presidente russo, Vladimir Putin, disse esta sexta-fiera que a Rússia queria um cessar-fogo imediato com a Ucrânia e que o prazo de domingo de manhã foi acordado em Minsk por pressão dos líderes rebeldes.

A Rússia «apoiou um cessar-fogo imediato», disse o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, citado pelo jornal económico Kommersant.

Segundo Peskov, a data de 15 de fevereiro foi escolhida «de acordo com a vontade dos separatistas» devido à dificuldade de «conseguir efetivamente um cessar simultâneo».

Os rebeldes «expressaram ativamente as suas exigências que tivemos de ouvir», disse Peskov.

O porta-voz disse que Putin «se esforçou bastante para persuadir os rebeldes a assinar o documento».

Na quinta-feira, Putin disse que as conversações se tinham prolongado porque Kiev se recusou a falar com os rebeldes diretamente.