Mortes de adolescentes no Brasil relacionadas com «pulseirinha do sexo»

Meninas assassinadas utilizavam o controverso acessório

Por: Redação / CMM    |   5 de Abril de 2010 às 12:16
A polícia de Manaus, no Brasil, está a investigar a morte misteriosa de duas adolescentes. Ambas as jovens usavam as conhecidas «pulseiras do sexo» no momento em que foram assassinadas e as autoridades suspeitam que o acessório tenha sido o motivo do crime.

A primeira jovem alegadamente morta por causa das pulseiras coloridas trata-se de uma adolescente esfaqueada na noite da Sexta-feira Santa, no bairro Valparaíso. Ao lado do corpo da menor foram encontradas duas pulseiras partidas.

A outra vítima das «pulseiras do sexo» é uma jovem, de 14 anos, encontrada morta na madrugada de sábado num quarto de hotel no bairro Morro da Liberdade. A menina tinha seis pulseiras coloridas que, de acordo com a polícia, terão sido rebentadas pelo autor do crime.

Uma mania entre jovens e crianças de todo o mundo, as pulseiras começaram a ser usadas na Inglaterra em 2006.

Aparentemente inofensivo, o acessório remete para um jogo em que o dono do objecto é castigado, de acordo com a cor do acessório, quando o mesmo é rebentado.

A «pena» pode ir desde um abraço ou um beijo até diversas práticas sexuais.

No Brasil, o uso das «pulseiras de sexo» preocupa pais e directores de escolas. No estado de Santa Catarina uma lei municipal proibiu a venda dos acessórios coloridos e em Londrina, no Paraná, a Justiça também obrigou os comerciantes a retirarem o produto do mercado.
Partilhar
EM BAIXO: Mortes de adolescentes no Brasil relacionadas com «pulseirinha do sexo»
Mortes de adolescentes no Brasil relacionadas com «pulseirinha do sexo»
COMENTÁRIOS

PUB
Casal português no Estado Islâmico, mas porquê?

Reportagem da TVI foi perceber as possíveis motivações de Ângela e Fábio, dois portugueses que, com outros 10, se juntaram ao Estado Islâmico. Ela vivia na Holanda, onde a TVI esteve, para mergulhar no passado e melhor compreender a decisão de se converter ao Islão. EUA já admitem que Estado Islâmico foi subestimado. Portugal apoia coligação internacional contra os rebeldes, mas não envia militares