Mortes de adolescentes no Brasil relacionadas com «pulseirinha do sexo»

Meninas assassinadas utilizavam o controverso acessório

Por: Redação / CMM    |   5 de Abril de 2010 às 12:16
A polícia de Manaus, no Brasil, está a investigar a morte misteriosa de duas adolescentes. Ambas as jovens usavam as conhecidas «pulseiras do sexo» no momento em que foram assassinadas e as autoridades suspeitam que o acessório tenha sido o motivo do crime.

A primeira jovem alegadamente morta por causa das pulseiras coloridas trata-se de uma adolescente esfaqueada na noite da Sexta-feira Santa, no bairro Valparaíso. Ao lado do corpo da menor foram encontradas duas pulseiras partidas.

A outra vítima das «pulseiras do sexo» é uma jovem, de 14 anos, encontrada morta na madrugada de sábado num quarto de hotel no bairro Morro da Liberdade. A menina tinha seis pulseiras coloridas que, de acordo com a polícia, terão sido rebentadas pelo autor do crime.

Uma mania entre jovens e crianças de todo o mundo, as pulseiras começaram a ser usadas na Inglaterra em 2006.

Aparentemente inofensivo, o acessório remete para um jogo em que o dono do objecto é castigado, de acordo com a cor do acessório, quando o mesmo é rebentado.

A «pena» pode ir desde um abraço ou um beijo até diversas práticas sexuais.

No Brasil, o uso das «pulseiras de sexo» preocupa pais e directores de escolas. No estado de Santa Catarina uma lei municipal proibiu a venda dos acessórios coloridos e em Londrina, no Paraná, a Justiça também obrigou os comerciantes a retirarem o produto do mercado.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Mortes de adolescentes no Brasil relacionadas com «pulseirinha do sexo»
Mortes de adolescentes no Brasil relacionadas com «pulseirinha do sexo»
COMENTÁRIOS

PUB
Meco: tribunal recusa afastar o juiz

Tribunal da Relação de Évora rejeitou o pedido de recusa de juiz feito pelas famílias dos jovens que perderam a vida na praia do Meco. Os pais apresentaram um recurso alegando que o juiz titular do processo tinha «uma ligação clara» com o procurador do Ministério Público responsável pelo caso. O tribunal rejeitou, mas o advogado considera que há aspectos positivos no acórdão