Três pessoas morreram na terça-feira na cidade venezuelana de Cumaná durante protestos pela falta de alimentos e outros produtos básicos, havendo ainda relatos de dezenas de lojas saqueadas, incluindo pelo menos duas de portugueses.

Reportam-me três falecidos em Cumaná (...) a cidade está desolada e destruída por saques por comida", disse aos jornalistas o deputado e economista José Guerra.

Residentes na localidade dão conta de que pelo menos 15 estabelecimentos comerciais foram saqueados, entre eles quatro supermercados, três padarias, dois talhos e uma farmácia.