Pelo menos sete palestinianos morreram e outros 500 ficaram feridos na sequência de confrontos entre o exército israelita e manifestantes ocorridos esta sexta-feira na fronteira de Gaza com Israel, segundo um novo balanço do Ministério da Saúde local.

O anterior balanço também avançado pelo Ministério de Saúde de Gaza dava conta de cinco mortos e 356 feridos.

Milhares de pessoas, cerca de 17 mil, segundo as agências internacionais, concentraram-se hoje junto de vários pontos da fronteira de Gaza com Israel, num protesto intitulado como "A Grande Marcha do Retorno", convocado pelo movimento radical palestiniano Hamas, por ocasião da comemoração do Dia da Terra.

O movimento radical palestiniano controla a faixa de Gaza, enclave palestiniano sob bloqueio israelita e egípcio, desde 2007.

O protesto degenerou em incidentes e o exército israelita tentou dispersar os manifestantes com gás lacrimogéneo e outros meios de dissuasão.

As forças israelitas, que também destacaram blindados para a zona fronteiriça, utilizaram munições reais contra os manifestantes que tentavam ultrapassar as barreiras de segurança.

Segundo o Ministério, as vítimas palestinianas foram mortas a tiro por soldados israelitas.

Um porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al Qedra, precisou que uma das vítimas, um homem de 27 anos, foi morto no início da manhã quando o exército israelita disparou contra dois agricultores que estavam a andar nas suas terras localizadas perto da fronteira com Israel, a sudeste da cidade de Khan Yunes.

O Ministério, citado pela agência noticiosa francesa France Presse (AFP), também precisou que outra das vítimas mortais é um jovem de 16 anos.

Segundo vários testemunhos citados pela agência noticiosa espanhola EFE, vários jovens atiraram pedras contra os soldados, que usaram gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes.

Esta marcha de protesto coincide com o Dia da Terra, ocasião em que os palestinianos recordam a morte de seis árabes desarmados em 1976 em protestos contra a tomada de terras por parte de Israel.

O Hamas apelou à população de Gaza que mantenha o protesto, nomeadamente com a montagem de um acampamento improvisado junto da fronteira, até 14 de maio, o dia da Nakba (que significa catástrofe), data que os palestinianos associam à criação do Estado de Israel em 1948.