A polícia de Nova Iorque anunciou hoje a detenção de 83 pessoas durante as manifestações que se seguiram na noite passada à decisão de não indiciar um polícia branco envolvido na morte de um negro.

Alguns dos manifestantes foram acusados de perturbação da ordem pública, referiu à agência noticiosa AFP um porta-voz da polícia.

Numerosos manifestantes, que se deslocaram em pequenos grupos, percorram a partir do final da tarde e durante a noite de quarta-feira diversas zonas de Nova Iorque, tentando perturbar a iluminação anual da árvore de Natal do Rockefeller Center, misturando-se com os turistas em Times Square, bloqueando a circulação na via rápida West Side Highway, no Lincoln Tunnel e de seguida na ponte de Brooklyn.

A polícia destacou um numeroso contingente, mas não foram registados incidentes graves.

As manifestações ocorreram após a decisão de um «grand jury» (jurados) de Staten Island, um dos cinco subúrbios de Nova Iorque, de não acusar um polícia branco envolvido na morte de pai de família negro em julho, durante uma agressão.

Eric Garner, pai de seis crianças e suspeito de venda ilegal de cigarros, foi derrubado e manietado no solo por vários polícias brancos, após recusar ser detido.

Um dos polícias segurou-o pelo pescoço, uma prática proibida pela polícia nova-iorquina. «Não posso respirar», queixou-se por diversas vezes Garner, obeso e asmático, antes de desmaiar.

A cena foi filmada por uma testemunha.

Garner foi declarado morto pouco depois e um médico legisla nova-iorquino conclui tratar-se de homicídio, devido à pressão feita sobre o seu pescoço.