puxou-o por uma orelha,“O que se passa contigo? Desaparece já daqui!”

 “Viro-me para a televisão, olho para a multidão e o meu filho está a vir do outro lado da rua com uma máscara. Naquele momento, simplesmente perdi o controlo”, disse Graham à CBS News.

Toya disse ainda ser contra a violência: “Fiquei chocada, zangada, porque não queremos ver os nossos filhos a fazerem isso.”




“É o meu único filho e no fim do dia eu não queria que ele fosse um Freddie Gray [jovem negro morto pela polícia de Baltimore]”, explicou. “Ele é um miúdo perfeito? Não, mas é meu”, concluiu.


“No Facebook os amigos dizem ao Michael: não deves ficar zangado com a tua mãe, mas sim dar-lhe um abraço”