A violência extrema voltou ao Egito e pelo menos 91 pessoas morreram esta sexta-feira. Depois de uma «Quarta-feira Negra», em que o número de mortos ultrapassa já os 600, esta sexta-feira os protestos voltaram às ruas. A Irmandade Muçulmana convocou os seus apoiantes para um «Dia de Raiva».

As manifestações convocadas começaram em vários pontos do país, de acordo com os media locais, tendo as autoridades informado que se registaram confrontos entre as forças de segurança e os apoiantes do Presidente deposto em várias cidades do país.

O exército egípcio reforçou a sua presença no centro do Cairo, sobretudo nas imediações da Praça Tahir e nas pontes sobre o Nilo, horas antes das manifestações convocadas pelos islamitas. Num vídeo captado por um apoiante do presidente Morsi, tanques do exército investem contra os manifestantes que lançavam pedras. Imagens de uma extrema violência onde os disparos de armas automáticas são contínuos. Ao fim de poucos segundos há uma série de corpos estendidos no chão.

De acordo com a agência de notícias Efe, todas as ruas que dão acesso à Praça Tahir foram cortadas hoje de manhã pelos militares, que enviaram para a zona vários carros blindados e reforços policiais.

Na cidade de Ismailia, segundo avança a agência Reuters que cita fontes médicas, já há registo de quatro manifestantes mortos. Também em Damietta já se contabilizam oito vítimas mortais. Uma testemunha contou à Reuters que contou pelo menos 27 mortos junto a uma mesquita na praça Ramses. Fontes oficiais confirmam 50 mortos, à Reuters.

Em algumas praças do Cairo, também há relatos de confrontos, com o exército a disparar gás lacrimogéneo sobre os manifestantes. O exército fez saber que não hesitará em usar força letal para parar os protestos. Também nas ruas de Alexandria e Tanta, a polícia e os manifestantes desafiam-se de forma violenta.

Manifestantes atiram jipe da polícia de ponte

Nos confrontos de quinta-feira, um grupo de manifestantes, atirou um jipe policial de uma ponte abaixo no Cairo, capital egípcia.

Imagens do vídeo mostram vários agentes a deslocarem-se até ao veículo depois da queda para ajudar as pessoas que se encontravam dentro do mesmo. A manifestação continuou também com lançamento de pedras ao carro.