O Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa da Venezuela (SNTP) denunciou que as autoridades estão a impedir a entrada e a expulsar do país os jornalistas internacionais que previam cobrir a manifestação opositora de hoje.

A denúncia tem lugar quando faltam apenas horas para que a oposição realize a "Toma de Caracas", uma concentração com a qual pretende exigir a realização de um referendo revogatório do mandado do Presidente Nicolás Maduro.

"Não estão a permitir a entrada das equipas de imprensa internacional que vêm fazer cobertura à marcha o que, independentemente das posições políticas, é um facto de importância para o coletivo e que necessariamente tem que ser coberto por todos os meios [de comunicação]", disse Marco Ruíz à Unión Rádio.

Mas esta não foi a única medida de Nicolás Maduro contra aqueles que criticam o seu poder. O Presidente da Venezuela anunciou, também, que pediu ao Supremo Tribunal de Justiça que elabore um decreto para levantar a imunidade de todos os funcionários públicos e deputados, caso surjam situações de violência em Caracas.

"Pedi aos juristas que, no quadro do decreto de Emergência Económica (em vigor desde janeiro de 2016), me preparem um decreto para levantar a imunidade de todos os cargos públicos, começando pelos deputados, se for necessário", disse durante um conselho de ministros.