Uma cobra-real de quase três metros entrou na casa de um homem em Batu Pahat, na Malásia, no dia 18 de junho. Derrick Koh, o proprietário, teve o sangue-frio suficiente para filmar o animal a subir por uma porta com grades e a entrar-lhe em casa por uma janela aberta.

Pensou depois que a jovem cobra-real - raça que chega a ultrapassar os seis metros de comprimento e vive principalmente nas florestas tropicais e planícies da Índia, sul da China e sudoeste asiático - teria saído de sua casa. Tal como entrara, serpentenado, sem se fazer anunciar.

Derrick Koh gravou o vídeo do momento insólito e publicou-o então nas redes sociais da internet, onde se tornou viral. Aí pode-se ver a cobra-real, um animal carnívoro e cuja mordedura pode matar um humano em 30 minutos, a entrar-lhe em casa através do terraço.   

“Três dias e duas noites"

Depois de perderem a cobra-real de vista, o Derrick Koh e a família pensaram que o animal tinha voltado a sair. Em declarações ao jornal The Star, da Malásia, explicou ter pensado que o animal se tinha ido embora pelas janelas situadas nas traseiras da casa.

Só depois de ter visto fezes recentes e a marca de uma mordida na sua pasta, Koh percebeu que a cobra-real  ainda se encontrava dentro de casa.

Durante três dias e duas noites, a minha família comeu, viu filmes, esteve na internet e dormiu normalmente. Nunca pensámos que a cobra tivesse ficado no meu quarto. Teve muitas oportunidades para nos matar, mas não”, contou Derrick Koh, admitindo que “escapou ao inferno”.

Com o nome científico Ophiophagus hannah, que significa "comedora de serpentes", a cobra-real alimenta-se de outros répteis e ofídios, razão pela qual, segundo se presume, abandona os ovos antes da eclosão para não cair na tentação de comer as próprias crias.

Normalmente, só acossada, a cobra-real ataca o homem. E apesar do seu veneno não ser dos mais tóxicos, a quantidade inoculada em cada mordida pode ser fatal.

Apavorado, o malaio Derrick Koh chamou peritos na captura de répteis, ao aperceber-se que a cobra-real continuava em sua casa. E voltou a filmar o momento em que o animal foi finalmente levado. Ou "convidado a sair".